Jávea.com | Xàbia.com
Pesquisar um artigo

Vicent Salvà, supervisor da UCI: «Vivemos com preocupação e angústia essa situação que nos afeta e muito de perto»

26 Março 2020 - 07: 49

A Comunidade Valenciana está se aproximando de 3.000 infecções por coronavírus, com 143 mortes e 44 descargas. A taxa de infecção é, no momento, superior à das pessoas que passam pelo COVID-19 e muitos desses aspectos positivos são de profissionais de saúde.

A Consellera de Sanitat, Ana Barceló, confirmou há alguns dias que havia 25 trabalhadores no Hospital Dénia que haviam testado positivo. É normal, eles são os mais expostos e os que exigem mais proteção. Mas eles têm isso?

Além disso, outro dos grandes problemas com um número tão alto de infecções e em constante crescimento é o espaço para atendê-las. A Marina Alta está pronta? Conhecendo o grande número de dúvidas existentes entre os moradores sobre as características do coronavírus e como ele é combatido na região, este escritório editorial entrou em contato com Vicent Salvà, Supervisor da UTI do hospital regional, que respondeu a todas as nossas perguntas nesta entrevista.

PERGUNTA. O que é o COVID-19 e o que o diferencia de uma gripe comum?

RESPOSTA O COVID-19 é um coronavírus que, como toda a família, possui especial predileção por infectar o trato respiratório. Felizmente, na grande maioria dos casos, a infecção causa sintomas leves ou moderados.

É verdade que o quadro clínico, quando não é complicado, se assemelha ao da gripe: febre, mal-estar, tosse ... No entanto, existem diferenças significativas entre este vírus e o vírus da gripe. Alta contagiosidade e capacidade de causar pneumonia grave são alguns exemplos.

P. Em quais casos você precisa ser admitido na UTI?

R. Infelizmente, em alguns casos, pelo menos, a infecção atinge e se espalha em nossos pulmões e causa pneumonia que força o paciente a ser internado no hospital.

"A UTI ainda tem camas gratuitas, mas as previsões são de que entraremos em colapso em alguns dias"

P. Como é a situação atual na unidade de terapia intensiva do hospital?

R. Desde a última segunda-feira, a unidade foi fechada apenas para casos de pacientes criticamente positivos ou suspeitos de infecção por COVID-19. Esta é uma medida necessária para evitar o contágio para o restante dos pacientes críticos e melhorar a segurança dos profissionais. Toda a unidade é considerada uma área de isolamento. O restante dos pacientes foi transferido para uma segunda unidade criada para cuidar de casos não relacionados a essa infecção.

P. Quantas camas você tem e quantas estão ocupadas atualmente?

R. Nossa UTI possui 14 leitos. Agora - quarta-feira, 25 de março - a Unidade ainda tem camas gratuitas, mas as previsões são de que nós entraremos em colapso em poucos dias.

P. Algum plano foi transferido para você no caso de estarem totalmente ocupados e você acabar sobrecarregado?

R. Sim. Existe um plano de contingência que contempla dobrar o número de leitos para pacientes graves, se necessário.

P. A Consellera de Sanitat informou há alguns dias que havia 25 banheiros infectados no Hospital Dénia. Isso afetou sua equipe?

R. Claro. É inevitável. Vivemos com preocupação e alguma angústia nessa situação que nos afeta e muito de perto. O compromisso com a nossa profissão é inquestionável, mas é humano pensar em nossa própria saúde e na de nossas famílias.

"Nem a indústria nem os estoques hospitalares foram preparados para isso"

P. Quais são as medidas preventivas que você toma?

R. O COVID-19 é um tipo de coronavírus que é espalhado pelo contato de gotas. Isso torna necessário o uso de aventais ou macacões à prova d'água, máscaras, luvas, óculos de proteção etc. Além de medidas de proteção universal, especialmente lavagem das mãos.

Q. Você tem o material necessário?

R. Este é um assunto que nos preocupou bastante. Nosso hospital não foi uma exceção ao resto dos centros. O acesso ao equipamento de proteção é altamente restrito e limitado ao estritamente necessário para evitar escassez. Parece que a situação está melhorando gradualmente. Nem a indústria nem os estoques hospitalares estavam preparados para isso.

P. Com que frequência você faz o teste para o COVID-19?

R. O teste é realizado em pessoas que apresentam sintomas compatíveis com os sintomas infecciosos ou, sem sintomas, se o profissional considerar que sofreu uma exposição arriscada. A partir daí, o monitoramento é realizado pelo serviço de Medicina Preventiva de acordo com cada caso.

Q. Caso você tenha um resultado positivo, qual é o protocolo? Os banheiros infectados se tornam pacientes? Existem substitutos suficientes para manter o pessoal necessário?

R. Os funcionários que dão positivo não podem funcionar. Ele deve permanecer em casa, se possível, isolado durante o período que denominamos "quarentena" ou até que os sintomas desapareçam completamente.

O problema de substituir todos os colegas que não estão vindo para o trabalho é a simultaneidade. Quer dizer, muitas posições tiveram que ser preenchidas em poucos dias. Isso colocou muito estresse na organização. Eles estão se cobrindo de novos contratos, mas também com o esforço excessivo dos colegas que estão trabalhando e os substituindo.

"Provavelmente, nos dias anteriores ao decreto do estado de alarme, houve um contágio maciço em nossa região"

P. Quais são as suas intervenções habituais com pacientes internados por coronavírus?

R. No caso de pacientes gravemente enfermos, seu maior problema é que eles sofrem uma dificuldade em respirar. Eles precisam ser sedados profundamente e conectados a um respirador. E a partir daí todos os tratamentos e cuidados de um paciente gravemente doente com sepse respiratória. Além disso, nossos esforços também devem se concentrar em impedir que complicações secundárias apareçam ao quadro clínico: complicações renais, cardíacas, etc.

P. Como você acha que a situação evoluirá?

Acho que ainda temos vários dias para ver o pico de pacientes infectados. Provavelmente, nos dias anteriores ao decreto do estado de alarme, houve um contágio maciço em nossa região. Muitos dos infectados ainda não "viraram a cabeça". Pela ordem de confinamento, é certo que o número de infecções foi substancialmente reduzido.

Por isso é tão importante que fiquemos em casa. O sistema de saúde pode suportar um pico na demanda de assistência médica por alguns dias, mas não se for mantido por várias semanas. É absolutamente crucial que todos nós nos sacrificemos para sair desta situação com o mínimo de vidas perdidas possível.

E uma última dica para os cidadãos: usar uma máscara é bom, mas é tão importante ou mais do que Sejamos cuidadosos com o que tocamos e mantenham uma higiene estrita de nossas mãosEles são o principal veículo pelo qual o vírus se espalha e se espalha.

Deixe um comentário

    27.419
    1.805
    5.967
    514
    Utilizamos cookies próprios e de terceiros para oferecer publicidade personalizada e coletar dados estatísticos. Se você continuar navegando, consideramos que você aceita nossos política de biscoitos.