Jávea.com | Xàbia.com
Pesquisar um artigo

Empresários de Xàbia esperam até junho para abrir seus bares: «a abertura com 30% do terraço é inviável»

Maio 01 da 2020 - 22: 01

As pequenas empresas e o setor de hospitalidade foram submergidos em um mar de dúvidas após o anúncio do Plano de redução de escala pelo Governo Central. Se por um mês, o mais esperado de todos era saber quando ocorreria a falta de confiança e como, hoje, tudo é incerteza e preocupação.

Em Xàbia, os quatro grupos empresariais concordam que a medida abrirá, em 11 de maio, 30% da capacidade dos terraços, no caso de bares e restaurantes, "é totalmente inviável", e em lojas, que podem abrir a partir do dia 4, "Ainda não sabemos quais medidas higiênicas devem ser seguidas após o tratamento do cliente, nem temos o material de proteção".

Os representantes das associações de Xàbia Histórica, Xàbia Port, Arenal e Restauradores de Xàbia indicam que "ninguém nos informou das condições em que podemos abrir". "Não sabemos que tipo de condições são as referidas como higiênico-sanitárias, nem o número de clientes por mesa ou a distância entre as pessoas na mesma mesa", indica Cande Ros, presidente do porto de Xàbia.

E as condições de reabertura anunciadas pelo governo central desencorajaram muitos empresários. Raúl Caselles, presidente da Associação de Comerciantes e Empresários de Xàbia Histórica, indicou que "Os espíritos não são bons, estamos aguardando a ajuda para lidar. Os associados do centro histórico consideram que as medidas indicadas não são boas e a maioria vai esperar para reabrir, em meados de junho, quando a capacidade é de 50%". Uma pergunta compartilhada pelos demais empresários de Xàbia, "Se as fases forem bem executadas, como dizem, em julho e agosto poderíamos estar trabalhando, embora esteja claro que não será para se recuperar, mas com 30% você não poderá sobreviver", indica Alfonso Pinel, presidente da associação de empresários Arenal e acrescenta que "precisamos de mais concreções".

Os empreendedores da Xàbia também exigem mais informações e esclarecimentos sobre ERTEs, "é impossível manter o mesmo plantel anterior durante os seis meses seguintes à reabertura com um terço ou metade da capacidade", diz José Manuel Piña, presidente da Associação de Restauradores de Xàbia (ARX). Por sua parte.

Com as novas medidas, o problema dos hoteleiros não é apenas abrir, mas preencher, tanto Piña quanto Ros implicam que, com a assimetria do plano de descalcificação, "Perdemos parte de nossa clientela em potencial. Dependemos de clientes locais e regionais e da população estrangeira que reside aqui, mas se não avançarmos ao mesmo tempo, também não teremos turismo em segunda residência". E é que, as despesas fixas com a abertura das portas se somam, mas com a redução de clientes, as contas não saem, "pelo menos localmente, o Javea Câmara Municipal juntou-se a nós em nossa ajuda e adiamos o pagamento de taxas e impostos, sem dúvida uma pausa para o setor de hospitalidade nestes tempos "José Manuel ressalta.

Além disso, como comentaram os representantes de grupos empresariais, a Câmara Municipal de Xàbia estuda a possibilidade de expandir os terraços para compensar a capacidade, "boa proposta, mas esse também é o ar, porque nem todos os casos são possíveis, uma vez que trata de uma área de travessia de pedestres, entradas particulares, etc."eles se manifestam.

O presidente da ARX esclarece que, se não a situação do setor de hospitalidade for mais específica, "A crise que vamos enfrentar será muito forte". No momento, cada proprietário deve avaliar se vale a pena abrir ou não, e a questão restante, qual é o investimento que deve ser feito para abrir e por quanto tempo? As lâmpadas serão a longo prazo? Você pode participar de mesas de grupo? Surgem muitas perguntas às quais, no momento, não há resposta.

Deixe um comentário

    27.819
    1.841
    7.107
    555
    Utilizamos cookies próprios e de terceiros para oferecer publicidade personalizada e coletar dados estatísticos. Se você continuar navegando, consideramos que você aceita nossos política de biscoitos.